(Re)encontro com Rodrigo


Há hora combinada, encontramo-nos no restaurante combinado. Confesso que estava nervosa, pois não sabia o que esperar. Rodrigo é uma pessoa muito especial e eu admito que nunca sei muito bem o que esperar dele. Já não nos víamos pessoalmente há bastante tempo e apesar da expectativa criada de ambos os lados, a verdade é que eu não sabia ainda qual era de facto o objectivo dele com este encontro.
Assim que nos encontramos fiquei ainda mais nervosa ao sentir o perfume daquele homem que não consigo tirar da cabeça (e do coração). Ele parece ter percebido e beijou-me ternamente a testa. Pôs o braço por cima dos meus ombros e encaminhou-me para o interior do restaurante. Tinha reservado uma mesa e escolheu, como sempre, uma num cantinho bem sossegado, onde podíamos estar mais à vontade.
Sentamo-nos, pedimos e começamos a conversar. De início, falamos de coisas banais, sobre o que tínhamos andando a fazer nos últimos tempos, sobre os amigos mútuos que um e outro já não via há algum tempo… Eu falava pelos cotovelos! Quando fico nervosa, falo sem parar!
Foi ele que encaminhou a conversa para o tema “nós” e quando me disse que queria (como eu tanto ansiava) passar a noite comigo, senti as pernas tremer, mas mantive a postura. Afinal, eu sou e serei sempre uma lady (in black)!! Bom, na sequência desta confissão, a conversa tomou outro rumo e começaram as provocações mútuas, os olhares cúmplices, os toques subtis, por cima e por baixo da mesa…
Apressamos o jantar e saímos rapidamente do restaurante, não sem que Rodrigo me presenteasse com um beijo na boca como só ele sabe dar! Adoro aquela boca e as sensações que me provoca!
Na esperança de que Rodrigo quisesse passar a noite comigo, tinha tudo mais ou menos planeado. Até já tinha confirmado a disponibilidade da suite no motel para onde o queria levar (leva-lo para casa seria demasiado normal e esperado). Deixamos o carro dele no parque do restaurante e ele entregou-se nas minhas mãos (palavras dele).
Tomei as rédeas do momento e encaminhei-me para o motel, sem lhe dizer nada. Rodrigo tomou conta, por sua vez, da conversa (adoro quando faz isso). Sinto que aprendo com cada palavra por ele proferida.
Chegados à suite, Rodrigo sentou-se na cama, com aquele sorriso de malandro estampado na cara… aproximei-me dele e quase sentada no colo dele, colei a minha boca à dele, obrigando-o a deitar-se. As mãos dele já subiam pelas minhas pernas, fazendo subir a saia que estava a usar. Parei-o no momento em que chegou (e sentiu) as ligas das minhas meias. Mandei-o fechar os olhos e relaxar. O sorriso continuava lá…
Espalhei velas e incenso pela suite, baixei a intensidade da luz ao mínimo e despi-me, expondo a lingeri nova que comprara de propósito para este encontro, e deixando ficar apenas as meias ligas e as botas (chamem-lhe fetiche, mas adoro fazer amor com Rodrigo de botas).
Rodrigo mantinha os olhos fechados, por ordem minha, e eu comecei a despi-lo e a roçar-me nele. Beijei-lhe o peito, mordi-lhe o pescoço, sempre roçando o meu sexo no dele. Quando me tentou beijar, desci e tirei-lhe os boxers, única peça de roupa que ainda tinha, com os dentes. Concentrei-me, então, no seu mastro, que estava já ao rubro. Dei-lhe todos os mimos que merecia (ele e eu!), com a boca, só com a língua… leves beijos… leves mordidas… E assim estava eu tão concentrada quando de repente Rodrigo se levanta, puxa por mim e obriga-me a levantar-me!
Ficou dois segundos a contemplar a minha figura, para logo de seguida se afundar luxuriosamente nos meus seios. Perdi o controle e entreguei-me ao Rodrigo e ao momento. Rodrigo libertou os meus seios da prisão em que se transformou o sutiã (por muito bonito que ele fosse) e beijou-me avidamente.
A fome que tínhamos um do outro era tal que não consigo colocar em palavras; o momento estava a acontecer tão intensa e rapidamente que quase não o consigo descrever.
Num momento estávamos enlaçados num abraço devorador (mútuo) e no seguinte Rodrigo já me tinha virado de costas para ele e penetrou-me com toda a força, fazendo-me gritar. Não sei dizer se demorou minutos ou apenas segundos. Por momentos, senti-me fora do tempo… Até que explodimos juntos num poderoso orgasmo! Adoro ouvir o meu homem gemer de prazer, leva-me ao êxtase!
Não consigo descrever os sentimentos, as sensações, a onda de prazer que me possuiu (e ao Rodrigo também, que eu sei), mas só de recordar, consigo sentir tudo quase com a mesma intensidade!
A noite continuou depois deste momento e… talvez eu volte para contar o resto…

7 comentários:

cheiodetesao disse...

Lindo...

E também foi ler sem parar, com ele sempre a crescer dentro das calças, até ficar também cheio de tesão com o que escreveste.

Agora também eu fodia até cair para o lado.

Foda-se, que bela tesão que tu sabes fazer...

Beijinhos entesados.

Pedro Gamboa disse...

Quente...

Saudações.

noivo disse...

Onde andavas tu rapariga?????

Capitão-Mor disse...

Uma bela novela erótica! :)

Anónimo disse...

ui ui...belo guião...:)
bjs
Ines e filipe
http://adultxposure.com/inviters

AS disse...

Intenso e sensual!...
Não digas talvez! Depois da expectativa que criaste não podes deixar de contar o resto!!!


Um terno beijo...

Anónimo disse...

ola

deixamos-te um desafio no nosso blog


bjs tropicais