Frustração

O calor está abrasador, apesar da brisa que corre. Ouço as àrvores no jardim em frente ao hotel...
O vinho que bebemos ao jantar deixou-nos ainda com mais calor e algo sonolentos.
Fruto desse calor e do calor interior que me vem consumindo, deitei-me nua a teu lado. Exposta. Ofereci-me a ti, deliberadamente.
Queria o teu toque, os teus beijos, queria-te...
Mas cinco minutos depois de te deitares a meu lado, simplesmente adormeceste... Ainda te tentei despertar, mas foi em vão. Adormeceste, ao que parece profundamente.
Furiosa e frustrada (sobretudo frustrada) saí da cama. Nem te apercebeste.
Agarrei-me ao computador, mas não me consigo concentrar em nada!
Queria tocar-me, mas toda a estimulação seria em vão. Arrefeci. Completamente.
Não entendo. Porquê?

2 comentários:

cheiodetesao disse...

Às vezes acontece!

Às vezes também deixo a A "pendurada", nem sempre o tempo é tempo de... Tenho sempre uma palavra nessas ocasiões, mas as pessoas não são todas iguais.

Um beijinho, bom fim de semana, talvez mais logo ele desperte e então...

:)

Zabaducadeu disse...

Há noites assim, dear Sara.
Estamos tão sintonizados connosco próprios, que quem está à nossa volta simplesmente não sintoniza connosco.
Restamos nós, mais ou menos frustrados.
Passei. de férias, para visitar-te.
Aproveita as noites quentes de Verão, são sempre suores agradáveis...
Beijo